quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

La Guitarrista

Domingando à noite, à toa, em tédio (in)comum, conheci figura ímpar, que, de tão franca arte corrente pelas veias, lançou-me encanto doce que residirá permanentemente em meu íntimo.
E dentre as cores, o vento, os cabelos ruivos, o cheiro de grama e a boemia, estava lá, com a vida a dedilhar em melodia, e toda a liberdade de uma existência jovem e sinceramente feliz pela frente.
A vida deveria ser isso. Sempre e somente isso…